Manejadores de Carauari conquistam frigorífico próprio

Flavio Quental | Memorial Chico Mendes

Marina Rabello | Coletivo do Pirarucu

 

Em julho, a Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC), que coordena, com assessoria do Coletivo do Pirarucu, o arranjo de comércio justo da marca Gosto da Amazônia, inaugurará um frigorífico próprio com capacidade para processar 3 toneladas de pescado sustentável por dia, incluindo o nosso pirarucu selvagem de manejo. O investimento tem como objetivo viabilizar o processamento e comercialização da produção das comunidades manejadoras, conciliando a geração de trabalho e renda para as famílias com a conservação dos recursos naturais. Os  extrativistas  membros da ASPROC serão os responsáveis pela gestão e operação da unidade, que terá um rígido sistema de controle de qualidade. Por isso, os 30 futuros colaboradores do frigorífico passaram, em maio, por uma primeira capacitação com foco em procedimentos para a garantia da qualidade higiênico-sanitária do  pescado. 

A unidade de beneficiamento é uma importante vitória do movimento extrativista de Carauari, e irá fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu de manejo sustentável, garantindo que todo o recurso, da pesca até o beneficiamento, fique com os próprios extrativistas. Com isso, o potencial de geração de renda para as comunidades aumentará. Atualmente, a ASPROC depende da contratação de frigoríficos terceirizados para o processamento (corte, porcionamento e embalagem) do pescado, o que gera elevados custos e dificuldades operacionais. “O empreendimento é uma conquista histórica da ASPROC na promoção de uma indústria de pescado no interior do Amazonas, principalmente pela agregação de valor aos produtos do manejo do pirarucu e de outras espécies. Para as comunidades manejadoras, é garantia de comercialização de seu pescado e oportunidade de aumentar a renda”, pontua Adevaldo Dias, presidente do Memorial Chico Mendes. 

“A responsabilidade é grande e estamos nos preparando com esse curso e com outras capacitações que virão, para tocar o empreendimento com excelência”, afirma Manuel Cruz, diretor-presidente da ASPROC. O curso foi coordenado e executado pela ASPROC, em conjunto com o Memorial Chico Mendes – MCM, membro do Coletivo do Pirarucu, e a empresa de consultoria INSEQ Segurança de Alimentos. A formação faz parte do Projeto Cadeias de Valor, executado em parceria com o Instituto Internacional de Educação do Brasil – IEB e financiado pela Agência de Cooperação Norte Americana – USAID. “Aprendi muito neste curso, tanto na teoria como na prática, na área de produção, evisceração, filetagem, no controle de qualidade. Essa indústria vai ajudar no desenvolvimento dos manejos nas comunidades”, comenta Elidonilda de Souza Oliveira, aluna do curso, e moradora da comunidade Samaumeira na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uacari. 

Um rigoroso protocolo de prevenção à COVID 19 foi adotado durante o curso, com utilização de máscaras e EPIs profissionais por todos os participantes e instrutores, manutenção do distanciamento social, utilização de álcool gel, além da higienização e sanitização dos ambientes e materiais utilizados após cada atividade realizada.